Dicas para melhorar a compreensão em crianças com Hiperlexia

Dicas para melhorar a compreensão em crianças com Hiperlexia

Vocês já viram em outra ocasião alguns detalhes da Hiperlexia e como isso afeta as crianças. No artigo mencionado, há informações importantes para que pais e responsáveis possam avaliar se o pequeno apresenta algum traço característico, sendo que o principal deles é a habilidade precoce de leitura.

Entretanto, o que parece um relevante passo na vida escolar pode ser, na verdade, um motivo para procurar auxílio profissional. Se de um lado a criança consegue ler uma frase inteira aos dois anos de idade (fase em que os bebês normais não contam com tal domínio); do outro, ela encontrará grandes dificuldades em desenvolver a linguagem oral e até se relacionar com os colegas de sala.

Portanto, as intervenções são imprescindíveis na vida do paciente, uma vez que quanto mais cedo começar o tratamento, mais chances o pequeno terá na socialização ao seu redor. Mas é verdade que sempre surgem dúvidas acerca de qual metodologia utilizar para se trabalhar no caso apresentado pela criança.

Considerando que a Hiperlexia pode estar associada ao Transtorno de Espectro do Autismo (TEA), é preciso reconhecer que um tratamento usado em uma criança pode ser completamente diferente em outra. Aliás, a Hiperlexia pode vir em diferentes condições entre os pacientes com o mesmo distúrbio.

Veja abaixo as principais dicas para melhorar a compreensão em crianças com Hiperlexia.

  • Procurar uma equipe que ofereça intervenções multidisciplinares, pois desta forma haverá muitas chances de os profissionais trabalharem os pontos que precisam ser desenvolvidos, tanto na vida escolar quanto familiar;
  • Dentro do tratamento citado acima é importante mencionar a presença de fonoaudiólogos, tamanho o desafio que os pequenos encontram com a linguagem oral em detrimento das palavras impressas. É relevante que eles consigam dominar a oralidade;
  • Na escola*, uma atitude que pode servir para ajudar a criança com Hiperlexia é integrá-la à turma regular, ou seja, com os alunos que conseguem desenvolver a habilidade da fala dentro dos limites da faixa etária em questão.
  • * Lembrando que tanto o pequeno que tenha Hiperlexia quanto seus colegas devem tirar um proveito em comum com essa convivência: o respeito pela diversidade encontrada em uma sala de aula. Além disso, outra vantagem que pode vir através dessa troca de informações é a flexibilidade a que os alunos estarão inseridos.
  • Dentro de casa existem muitas possibilidades. Uma delas é o exercício diário que pais, babá ou algum outro familiar pode aplicar à criança. Alguma atividade dada pela fonoaudióloga pode ser explorada no ambiente doméstico, como em brincadeiras, para citar apenas um exemplo;
  • Outro atrativo para as crianças são os dispositivos eletrônicos, uma vez que o pequeno com a Hiperlexia tem um estímulo visual bastante aguçado. Nesse caso, os tablets contam com jogos educativos que tendem a atrair a atenção da criança e, junto com ela, você terá chances de trabalhar os pontos que mais necessitam ser desenvolvidos.

Há que se lembrar, no entanto, que tudo isso só pode ser feito se o paciente contar com uma intervenção profissional.

 

Fonte: Neurosaber