FisioVital | O que é distúrbio mental infantil? como tratar
O distúrbio mental infantil é mais comum do que se pode imaginar. Estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) ...
FisioVital | O que é distúrbio mental infantil?
1353
post-template-default,single,single-post,postid-1353,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,columns-4,qode-theme-ver-16.8,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

O que é distúrbio mental infantil?

O que é distúrbio mental infantil?

O que é distúrbio mental infantil?

O distúrbio mental infantil é mais comum do que se pode imaginar. Estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) traçou um panorama sobre a incidência desses transtornos na vida de crianças e adolescentes.

Dados divulgados pela OMS (Organização Mundial da Saúde) alertam que esse grupo específico representa aproximadamente 30% (crianças) e 14,2% (adolescentes) da população mundial. Em relação à taxa de incidência, levantamentos informam que a quantidade de menores com algum transtorno mental chegue a 15%.

Afinal, o que é distúrbio mental infantil?

O distúrbio mental infantil pode ser algum transtorno que afete, principalmente, campos ligados ao seu neurodesenvolvimento, assim como aspectos relacionados à sua cognição e funcionalidade.

Alguns autores consideram o fato de a criança estar em uma situação de risco (em se tratando de distúrbio mental) “quando seu desenvolvimento não ocorrer conforme o esperado para sua faixa etária e para os parâmetros de sua cultura”.

De acordo com a OMS, a promoção da saúde mental está associada a um ‘estado de bem-estar’, permitindo ao indivíduo a realização de atividades que contribuam de forma significativa para sua comunidade e sua própria vida.

Quais são os fatores associados?

Há que se ressaltar que o distúrbio mental em crianças e adolescentes é motivado por alguns fatores determinantes. Eles podem ser divididos em alguns grupos:

Fatores genéticos: relacionados ao histórico familiar de transtorno mental;

Fatores psicossociais: relacionados a casos de disfunções na vida familiar e situações indutoras de estresse;

Fatores biológicos: relacionados a situações de anormalidades do sistema nervoso central, sejam elas causadas por lesões, infecções, desnutrição ou exposição a toxinas;

– Fatores ambientais: relacionados a problemas enfrentados na comunidade (violência urbana) e tipos de possíveis abusos (físico psicológico e sexual).

* A OMS considera duas grandes categorias dos transtornos mentais que estão presentes na vida das crianças e dos adolescentes: transtornos do desenvolvimento psicológico e transtornos de comportamento e emocionais.

 

Quais são os distúrbios mentais com maior incidência?

O estudo feito pela UFRJ conseguiu chegar aos transtornos mais frequentes nos pacientes analisados. O levantamento apontou que a Depressão, os Transtornos de Ansiedade, o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), o Transtorno de Conduta (TC) e os Transtornos por Uso de Substância foram os observados consideravelmente.

Houve variação na taxa de cada uma delas. Vejam a seguir:

– Depressão (0,6 % e 30%);

– Transtorno de Ansiedade (3,3% e 32,3%);

– TDAH (0,9% e 19%);

– Transtorno de Conduta (1,8% e 29,2%);

– Transtorno por Uso de Substancias (0,9% e 19%).

Existem fatores de risco? Quais são eles?

Sim e não são poucos. A literatura científica reconhece situações bastante variadas e que podem influenciar e/ou piorar a situação da criança ou adolescente que convive com algum distúrbio mental, a saber:

– Baixo nível educacional;

– Doenças crônicas e terminais;

– Maus-tratos na infância;

– Eventos traumáticos;

– Psicopatologia parental;

– Vulnerabilidade social (considerado por alguns autores como um fator de risco para doenças mentais);

– Outros.

 

Fonte: Neuro Saber

 

No Comments

Post A Comment

WhatsApp chat